terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

A Mulher Negra Guerreira Está Morta!!! Esta???


A Mulher Negra Guerreira está morta...Há poucas horas, enquanto lutava com a realidade de ser humana e não um mito, a mulher negra guerreira faleceu.Fontes médicas afirmam que ela morreu de causas naturais, mas os que a conheceram sabem que ela morreu por ficar em silêncio quando deveria ter gritado; por sorrir quando deveria ter liberado sua fúria; e por esconder sua doença para não incomodar a ninguém com sua dor.Ela morreu de overdose de gente em suas costas quando não tinha energia nem para si mesma.Ela morreu de tanto amar homens que não amavam a eles próprios e que a única coisa que lhe davam em troca era um reflexo distorcido.Ela morreu por criar filhos sozinha e por não poder fazer todo o serviço.Ela morreu por causa das mentiras sobre a vida, os homens e racismos que sua avó contou à sua mãe e sua mãe lhe contou.Ela morreu por ser sexualmente molestada quando criança e por ter que carregar a verdade consigo pelo resto da vida, trocando sempre a humilhação por culpa.Ela morreu de tanto ser espancada por alguém que dizia amá-la, e ela permitia que o espancamento continuasse para mostrar que também amava esse alguém.Ela morreu de asfixia, cuspindo sangue por causa dos segredos que guardava tentando abafá-los em vez de se permitir a crise de nervos que lhe era de direito – mas que só as mulheres brancas podem se dar ao luxo de ter.Ele morreu de tanto ser responsável, porque ela era o último degrau de uma escada sem apoios e não havia ninguém que pudesse ampará-la.A mulher negra guerreira está morta. Morreu por causa dos tantos partos de crianças que ela na verdade nunca quis, mas que a moral estranguladora dos que a cercam obrigou-a a ter.Ela morreu por ter sido mãe aos 15, avó aos 30 e um antepassado aos 45.Ela morreu por ter sido derrubada e tiranizada por mulheres não-evoluídas que se diziam sisters, companheiras.Ela morreu por fingir que a vida que levava no século XXI era um momento Kodak e não um pesadelo pós-escravidão.Ela morreu por tolerar qualquer zé mané só para ter um homem em casa.Ela morreu por se relacionar com homens brancos,e acreditar que era amor.Ela morreu por falta de orgasmos, porque nunca soube de suas reais capacidades.Ela morreu por causa dos joelhos dolorosamente comprimidos um contra o outro, porque respeito nunca fez parte das preliminares sexuais que lhe eram impostas.Ela morreu por causa da solidão nas salas de parto e abandono nas clínicas de aborto.Ela morreu por causa da comoção nos tribunais onde sentava-se, sozinha, vendo seus filhos serem legalmente linchados.Ela morreu nos banheiros com as veias irreversivelmente abertas pelo descaso geral e pelo ódio que sentia por si mesma.Ela teve morte cerebral combatendo a vida, o racismo, os homens, enquanto seu corpo era arrastado para um matadouro humano para ser espiritualmente mutilado.E algumas vezes quando se recusou a morrer, quando apenas se recusou a entregar os pontos, ela foi assassinada pelas imagens fatais de cabelos loiros, olhos azuis e bundas chapadas, quando foi rejeitada pelos Pelés, Djavans e Ronaldinhos da vida.Às vezes, ela era arrastada para a morte pelo racismo e pelo sexismo, executada pela ignorância hi-tech enquanto carregava a família na barriga, a comunidade na cabeça, e a raça nas costas.A escandalosa mulher guerreira sem voz está morta!!!!!!Ou Ela Está Viva, E Se Mexendo????? ?Eu sei que eu ainda estou aqui.E você? Está se sentindo viva?Irmã .. cuide-se!Asé


(tradução do texto The Strong Black Woman is Dead, de autora desconhecida)

Pintura: “Sisters in Spirit” – Monica Stewart

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas... continuarei a escrever. (Clarice Lispector)

Sempre gostei de escrever. A escrita para mim vai muito alem do simples juntar de letras. A escrita para mim é um registro, minha historia desenhada e guardada para quem um dia se interessar em ler.
Talvez essa vontade de escrever e registrar minha historia tenha vindo da minha falta de historia. Nós pretos e pretas sabemos muito bem a dor de passados sem registros a espera de historia de vidas que foram omitidas... Histórias do nosso povo, nossos ancestrais, nossa cultura, nossos irmãos e irmãs que lutaram por uma sociedade mais justa e igualitária, sem o racismo, preconceito, machismo e outros males que ainda permanecem em nossa sociedade.
Comecei a escrever muito cedo, para quem sabe com isso reencontrar a minha historia ou dar inicio a uma história para que meus filhos, netos, bisnetos ou qualquer um que se identifique pudesse ter como um ponto de partida. De inicio a escrita para mim era uma tentativa de
autoconhecimento (escrever, escrever, escrever... para reler e tentar entender). Mas agora percebo que a escrita pode ser muito mais que isso.... A escrita pode ser uma das minhas ferramentas de luta (contra o racismo, a desigualdade social, o machismo, o sexismo, a violência contra a mulher...).
O objetivo desse blog é construir mais um espaço de debate e discussão sobre questões que envolvem principalmente a mulher preta. Noto, ao tentar buscar pela internet, que ainda é muito complicado encontrar blogs e sites que falem sobre a condição da mulher preta em nossa sociedade. Todavia sei que existem muitas lutas em que todos nós devemos prestar solidariedade e por isso tentarei abordar outros assuntos pelo qual me solidarizo e contribuo com minha luta diária.
Não me considero uma militante. Sei que ainda tenho muito que aprender... Por enquanto me classifico como uma mulher preta que busca construir e fortificar cada vez mais sua identidade, contribuindo (talvez de forma mínima ainda) na luta contra tudo o que nos oprime.

Quem eu sou!??


VOCÊ É ESPELHO DO QUE VOCÊ GOSTA... ENTÃO EU SOU: mulher preta, família, militante, laranja, blues, TIM Maia, banho de chuva, lua cheia, batata frita, olhares, sorriso, trança, preto, abraço, beijo, amasso, cama, pica pau, Clarice Lispector, Fernando Pessoa, miojo, vermelho, roxo, tentação, girassol, futebol, arroz com feijão, brincos de argola, madrugada, brigadeiro, soverte de flocos com sensação, um bom perfume, camiseta, liberdade, declarações, letra de musica, papear com os amigos e amigas, carta, bolo da minha mãe, internet, educadora, elogios, tic tac, o azul do mar, sonho de valsa, abacaxi azedo, lagrimas, solidão, multidão, Butantã, rasteirinha, a cura, Chaves, bolinho de chuva, fotos em preto e branco, vinho quente, céu estrelado, Rio Pequeno, jazz, feliz ano velho, Discovery, massagem, brilho labial, Black, incenso, lugares novos, bons momentos, banho quente, lembranças, queijo, leite quente, ter o controle, sexo, pavê, passeios pelo Pontal do Paranapanema, conchinha, esmalte escuro, meia luz, aquário, inverno, pão com mortadela, todo mundo odeia o Cris, trufa, estar apaixonada, pensar, pensar, entrar em crise, sair da crise, meu estilo, café, poesia, companheirismo, macarrão, creme para o corpo, falar , falar e falar, salsicha, pessoas inteligentes, Ra-tim-bum, aconchego no peito, acordar sem ninguém me chamar, lápis de sobra, sorriso, meu cabelo, surpresas, samba de raiz, estar feliz, um dia que termina bem, saudades, amores para recordar, molho verde, sabonete, chá mate, reencontro, amores, sabores, ser desejada, olhar para o nada, desenho animado no cinema, pimenta, pão com manteiga, escrever, escrever e depois reler para tentar entender, ser lembrada, dormir ouvindo musica, tomar minhas próprias decisões, ser corajosa, pijama e meia, receber visitas, achar respostas, segurança, um bom desafio, ficar em casa, Pequeno Príncipe, Ray Charles, pizza de madrugada, ficar sem fazer nada....ENFIM...